Blog Memorarces

Por Rubia Arce e Colunistas

O primeiro vôo a gente nunca esquece

30 Jun 2017

 

Você já viajou de avião nessa vida? Com qual idade você viajou de avião pela primeira vez? Você já viajou para fora do seu país? Quantos anos você tinha quando viajou pela primeira vez para o exterior? Você se lembra? Eu me lembro! E que memória deliciosa!!! Aceitei o convite da Rubia para escrever aqui neste blog maravilhoso para fazer um exercício de memorar esses momentos lindos da minha vida: minhas viagens. Muita gratidão por me dar essa oportunidade curativa de me recordar destas fases tão marcantes e tão importantes para o meu crescimento pessoal e formação de quem eu sou hoje. A gente às vezes se esquece dessas memórias, guarda lá no “fundim” da cabeça, né? E para que gente? É tão bom lembrar de quando estivemos bem, do quanto era desafiador viver nessa época, do quanto nos superamos, nos reinventamos para dar conta de tudo. Estou realmente muito feliz por estar aqui levando a você minhas memórias edificantes de viagens. Espero que gostem e se divirtam, porque eu já estou amando!!!

 

A primeira vez que viajei de avião nessa vida foi em 2006. E pasmem... Mudei de continente nessa viagem. Eu, uma menina da zona norte de Belo Horizonte, de família humilde, mas que teve uma mãe capaz de me ensinar que a vida não precisa ser só do tamanho que a nossa vista alcança. Que podemos abrir caminho para nossa vista ver mais e com isso possibilitar alcançar mais. E foi acreditando nisso que eu entrei naquele avião. Eu tinha 27 anos. Até me achava velha para a primeira viagem internacional da minha vida, mas a minha sede de conhecimento e aventura atropelou qualquer pontinha de insegurança e medo que pudesse surgir.

 

O primeiro vôo foi rapidinho, só 40 minutinhos e eu estava aterrissando. Fui pro Rio para pegar o vôo internacional. O avião era muito maior que o primeiro. Ganhei uma bolsinha com meia, pasta de dente e escova, pente, lenço umedecido, fones de ouvido e também travesseiro e cobertinha. Ahahahahaha!!!!!! Estava me achando o máximo! Tinha uma televisãozinha só pra mim na frente da minha cadeira. Fui olhar os filmes e escolher qual eu iria ver primeiro. Lembro que fiquei em dúvida entre Hitch, Madagascar, Nárnia e Batman Begins. Escolhi primeiro o Madagascar porque eu sentia que aquela era uma viagem que eu faria para um lugar que eu nunca tinha ido antes, mas que me pertencia de alguma forma. Eram mais ou menos 9 horas de viagem e eu tinha tanto para fazer dentro daquele avião, nem ia dar tempo de ver todos aqueles filmes. Nem de olhar todas as paisagens pela janelinha, quando ainda tinha luz solar. Nem de conversar com todo mundo... Então veio o jantar. Hum... eu pude escolher. Pedi carne, tava divino! Lembro que passei uma parte do vôo dormindo, usei o banheiro algumas vezes (ria sempre quando dava descarga. Que barulhão!!!). Mas não perdi um lanche! Achei o máximo aquelas comidinhas dentro das vasilhinhas de avião.

 

Enfim chegamos... Eu tinha trocado de continente. Eu tinha realizado três sonhos de uma só vez: andar de avião, sair do país, trocar de continente! Olhei pro relógio que estava no meu braço, olhei pro relógio do aeroporto tinham 4 horas de diferença. Nossa! – pensei – O povo ainda tá dormindo em BH e eu tô aqui em Lisboa! Eu era toda sorrisos. Como eu estava feliz! Como é bom sentir essas sensações novamente, me transportar para esse momento de novo! Que delícia, Rubia, lembrar disso tudo! Obrigada!

 

Eu estava ali na fila do controle de passaportes pensando no que eu tinha acabado de fazer. No que aquilo significava na minha vida, na minha geração, o que aquilo iria trazer de diferente para a minha família toda. Quantas possibilidades, quantas mudanças, quanta curiosidade, quantas coisas novas que eu nunca tinha vivido, nem visto, quantas sensações, quanta gente... nossa... quanta experimentação. Era início de junho, estava um frio em BH! Cheguei em Lisboa e eu nem estava sentindo mais frio nenhum. Lembro da primeira vez que andei de metrô em Lisboa, eles tinham 4 linhas: amarela, azul, verde e vermelha, cortando toda a cidade e eu achava aquele metrô enorme! (aguardem o texto sobre a minha viagem a Paris que vocês vão ver o que é linha de metrô enorme...) Porque o metrô de BH parece mais um trem, e isso era a única experiência que eu tinha com metrô. Lembro que na estação tinha televisão em 2006, aí vai uma foto do meu acervo pessoal.

 

Essa estação na foto de capa, é toda revestida de azulejos portugueses, eu fiquei maravilhada! Ai... as estações portuguesas de metrô... Mas isso é assunto para um próximo texto.

 

Contem aí o que acharam da minha experiência? Vocês já fizeram uma viagem para o exterior? Como foi gente? Como foi a primeira viagem de avião, mesmo que dentro do nosso país mesmo? Ou se você ainda nem saiu do país ou nem andou de avião como você acha que vai ser? Quais as suas expectativas? Conte aí para mim. Vocês se lembram de momentos parecidos com esses que contei aqui no texto? Quais foram as sensações de se lembrarem desse momento da vida de vocês? Aguardo seus comentários.

 

 

Compartilhar no Facebook
Share on Twitter
Please reload

Destaques

O PESO

November 18, 2019

1/10
Please reload

Arquivos
Please reload

Siga-me
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon