Blog Memorarces

Por Rubia Arce e Colunistas

ISSO NÃO É DISCIPLINA POSITIVA

21 Feb 2019

 

Olá, querida e querido leitor. Que bom que estamos de volta. Para o texto de hoje, vamos refletir sobre alguns equívocos que as pessoas cometem ao começarem a aplicar a Disciplina Positiva em suas casas.

 

Durante as minhas palestras, textos ou conversas com pais, onde explico o que é a Disciplina Positiva e todo o movimento em prol da educação não violenta, é comum as pessoas se confundirem em relação a 4 pontos.

 

Então, vamos direto a eles:

 

1. Tornarem-se permissivos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Muito, muito comum as pessoas escutarem sobre Disciplina Positiva, onde tratar as crianças com respeito é uma premissa básica e acabarem se tornando muito permissivas. É quase como que ensinar limites de forma respeitosa fosse praticamente ideias opostas. Baseado nisso, muitos pais, com medo de serem muito autoritários, acabam esquecendo dos limites e focando só na gentileza.                                                   

 

Essa “confusão” e seu resultado, a permissividade, se você for parar e pensar, também não é nada respeitoso e portanto, não é Disciplina Positiva. Ser um pai ou mãe permissivos significa deixar a criança ser desrespeitosa com o outro ou até com você mesmo(a). Pais permissivos não permitem que a criança lide com frustrações, desenvolvam autocontrole ou a capacidade para resolver problemas. Característica e habilidades de extrema importância para as crianças a curto e longo prazo.

 

Geralmente, filhos de pais permissivos costumam sair do controle dos pais, e então, para “resolver”, os pais (ou um deles) tendem a migrar para um outro extremo, que é o segundo equívoco mais comum sobre a Disciplina Positiva.

⠀⠀
2. Apelar para o autoritarismo.

Justamente por medo dos pontos negativos da permissividade - e com razão - os pais podem recorrer para o outro extremo, o autoritarismo. Desse lado da balança aqui, quem escolhe tudo é os pais, quem define todas as regras, quem as faz acontecer e quem julga e pune.

 

E mais uma vez, esse lado aqui também não é respeitoso e também priva a criança de desenvolver várias habilidades e características como responsabilidade, compromisso, resolução de problemas, etc. Desse lado aqui há também mais um ponto: Pais autoritários podem ser extremamente desencorajadores e as crianças sentirem ZERO vontade de serem cooperativas ou “obedientes”. Além de que, ao se sentirem punidas, algumas crianças podem optar por comportamentos como a vingança e sentimentos como o rancor, o medo ou simplesmente se fecharem para tudo e todos.

 

Muitos pais oscilam entre esses dois lados da balança. E outra coisa bastante comum de acontecer é a de um indivíduo do casal “escolher” um lado e outro o outro, como se para balancear. Essa forma de interação entre pais e filhos, tende a gerar ainda mais confusão mental para as crianças.

 

Se você e o pai/mãe de seu filho vivem juntos, procurem estar do mesmo lado, definam entre si quais os valores de vocês, as regras e como vão agir em relação a educação dos filhos.

 

3. Faça a criança obedecer:

Disciplina Positiva não tem como objetivo fazer as crianças obedecerem os pais. Disciplina Positiva tem como objetivo propiciar que as crianças desenvolvam habilidades sociais e de vida importantes para seus futuros e de suas comunidades. Faze-las sentirem-se pertencentes, atuantes e importantes, para que assim elas se sintam ENCORAJADAS a COOPERAR.

 

Disciplina Positiva não ensina que as crianças devem fazer algo porque alguém (pai, professor, outras autoridades) está mandando fazer e pronto e acabou. Disciplina Positiva ajuda as crianças a entenderem que devem/conseguem fazer algo (ou não) pois aquilo é o certo (ou não) a ser feito, simples assim. ⠀

E por último, mas não menos importante

 

4. Não está educando

 

Esse questionamento me chama muito a atenção. Muitos pais resistem muito a Disciplina Positiva, pois acham que não estão educando ou que os filhos não estão aprendendo nada. Chama-me atenção, pois esse questionamento evidencia que ainda temos uma ideia de que educar tem a ver com ser rígida, mandona, autoritária. Que se a criança está se divertindo ou se sentido bem, ela não está aprendendo nada. Que se a criança tem um comportamento desafiador (ou não) ela precisa ser punida para aprender.

 

Esse tipo de pensamento não só a Disciplina Positiva, mas como inúmeras outras teorias e ciências tem comprovado que não é bem assim. O ser humano (no geral) tende a se comportar, fazer melhor, cooperar, participar quando se SENTE melhor.

 

O argumento de que fomos punidos quando criança e que mesmo assim “SOBREVIVEMOS” é um dos mais furados. Com todo respeito, mas nenhum pai ou mãe deveria desejar que o filho SOBREVIVA a ele. Sobreviva a infância que você tem proporcionado a ele.

 

*Menos sobrevivência, mais vivência

 

Agora que eu já te contei o que NÃO é a Disciplina Positiva, desejo que você e sua família possam VIVER mais. Que você possa enxergar todo o potencial gigantesco que há dentro do seu filho. Que você enxergue todo o potencial que há dentro de você. Que você tem o poder e o direito de tratar o seu filho com gentileza e firmeza AO MESMO TEMPO. Vocês como família merecem isso.

 

Aliás, me conta nos comentários qual dos 4 pontos/equívocos já passou pela sua cabeça.

 

Um grande abraço e até a próxima.

 

 

 

 

Compartilhar no Facebook
Share on Twitter
Please reload

Destaques

VIAGEM A OUTRO MUNDO

November 11, 2019

1/10
Please reload

Arquivos
Please reload

Siga-me
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon